Bright Concept
Apoio
PT EN
Contacte-nos

Contacte-nos

* Campos obrigatórios
Li i aceito a Politica de privacidade
Enviar
INÍCIO /

Blog

/

Accountability & Engagement

/ 5 formas de aumentar o “employee engagement”

5 formas de aumentar o “employee engagement”

EM: Accountability & Engagement.29 JUNHO, 2022
5 formas de aumentar o “employee engagement”

Employee engagement como resposta à The Great Resignation

Mais do que nunca, os talentos estão a sair das empresas onde trabalham e há uma grande dificuldade em atrair novo talento. Dois fatores podem estar jogo: a The Great Resignation chegou à sua empresa ou o talento está a sair para empresas estrangeiras que oferecem melhores oportunidades e salários.

A resposta a estas dificuldades de retenção e atração de talento está na promoção de práticas de employee engagement na sua empresa e na comunicação para o mercado que a sua empresa realiza estas práticas de employee engagement.

Um estudo realizado pela Microsoft, revela que mais de 40% da força de trabalho mundial considerou despedir-se no início de 2021. Na Europa, 58% dos colaboradores europeus planeiam sair das suas empresas este ano. Consideremos como exemplo o Reino Unido, no qual se observou, somente entre julho e setembro de 2021, a saída de mais de 400 mil colaboradores das empresas.

The Great Resignation é vista pelos líderes como a nova tendência que irá inevitavelmente alastrar-se globalmente. Esta impacta a maioria das empresas, independemente da dimensão e setor de atividade da empresa ou da posição ou função desempenhada pelo colaborador.

Inicialmente observada nos EUA, a The Great Resignation já chegou à Europa e os líderes europeus procuram reagir rapidamente a esta vaga. Surge assim a questão: que práticas devem ser adotadas pelas empresas para contrariar a The Great Resignation e reter o talento?

 

Como surgiu a The Great Resignation?

 

A adoção universal de novos regimes de trabalho, em particular o regime de teletrabalho e híbrido pelas empresas criou uma nova realidade para os colaboradores que necessitaram de reajustar e adaptar-se a novos ritmos, horários e exigências no seu contexto profissional e pessoal.

Esta dualidade entre a flexibilidade e exigências resultantes do regime de teletrabalho, trouxe consigo novas expectativas, o que originou uma reconfiguração dos seus valores profissionais e pessoais. Fatores como a interação limitada com as chefias e equipa de trabalho, a crescente procura do colaborador pelo seu propósito, a importância dada à saúde e bem-estar e, para além disso, a perceção de liberdade de trabalhar em qualquer local são exemplos de indicadores que contribuíram para que estes colaboradores reavaliassem as suas prioridades.

Os colaboradores começaram a idealizar o seu papel nas empresas numa nova perspetiva, e por isso, não hesitam em abandonar as suas empresas quando estes novos valores não são respondidos.

Esta realidade é apontada por Staya Nadella, CEO da Microsoft, ao afirmar que as expetativas dos colaboradores estão a mudar e, por isso, é necessário definir a produtividade de uma forma mais ampla – incluindo outros fatores como a colaboração, aprendizagem e bem-estar – de forma a impulsionar o desenvolvimento das carreiras dos colaboradores. A CEO da Microsoft alerta ainda para a necessidade de gerir estas mudanças com flexibilidade sobre quando, onde e como as pessoas trabalham.

 

Employee engagement como resposta à The Great Resignation

 

Os líderes questionam-se sobre a melhor estratégia para responder à The Great Resignation para que os talentos queiram permanecer nas suas empresas. A resposta está no employee engagement!

As práticas de Employee engagement que recomendamos como resposta à The Great Resignation são:

  1. Reconheça e valorize o talento;
  2. Partilhe feedback frequentemente;
  3. Crie oportunidade de desenvolvimento;
  4. Promova uma cultura positiva de suporte;
  5. Avalie o employee engagement

 

1. Reconheça e valorize o talento

 

É essencial as chefias reconhecerem e valorizarem os talentos de forma a promover o seu engagement. Cerca de 66% dos colaboradores ponderam sair da sua empresa caso não se sintam valorizados, sendo que este valor aumenta para 76% nas gerações mais novas (geração Millennials).

As empresas devem adotar práticas que reconheçam o sucesso dos seus talentos, encorajando-os na realização das suas tarefas e conquistas, de forma a promover um sentimento de valorização e reconhecimento. Contudo, o grande desafio das empresas centra-se na seleção das práticas certas para cada colaborador. Para tal sugerimos algumas práticas:

 

2. Partilhe feedback frequentemente 

 

O feedback continua a ser identificado como um fator essencial para promover o engagement do talento, especialmente no contexto de teletrabalho atual. Cerca de 68% dos colaboradores que recebem feedback de forma consistente sentem-se realizados nas suas empresas.

Desta forma, as empresas não devem limitar o feedback a momentos anuais de inquéritos de satisfação, mas sim, integrar-se numa cultura de feedback constante e contínuo. Cerca de 43% dos colaboradores altamente engaged recebem feedback pelo menos uma vez por semana.

O feedback pode ser partilhado através de diferentes mecanismos organizacionais diretos e indiretos que permitem ao colaborador compreender as áreas que deve desenvolver. Os colaboradores das gerações mais novas (geração Y e Z) tendem a procurar feedback formal e informal direto das suas chefias, por exemplo nas reuniões Zoom ou Teams, enquanto a geração X tende a valorizar a partilha de feedback num registo indireto através do seu email.

O feedback deve ser um momento de partilha e desenvolvimento entre os colaboradores e as chefias, demonstrando aos mesmos que as chefias valorizam e atendem às suas necessidades.

 

3. Crie oportunidades de formação e desenvolvimento

 

Os talentos cada vez mais procuram nas suas empresas oportunidade de desenvolvimento das suas carreiras. O estudo desenvolvido pela Glint identificou as oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento (L&D), como o primeiro fator para garantir um ambiente de trabalho positivo. Além disso, um estudo realizado pelo LinkedIn revelou que 94% dos colaboradores afirmaram que permaneceriam durante mais tempo na empresa caso esta investisse mais na formação.

A criação de oportunidades de desenvolvimento para os Talentos, através de planos de reskilling ou upskilling permite criar uma experiência rica e adaptada de crescimento para os mesmos. Em especial atenção, os colaboradores das gerações mais novas (geração Y e Z) valorizam cada vez mais a evolução da sua carreira através de oportunidades de formação e desenvolvimento, considerando que tudo pode ser aprendido, sendo a tecnologia o seu braço direito.

Assim, as empresas devem criar programas de desenvolvimento para os colaboradores, os quais podem envolver práticas como:

 

4. Promova uma Cultura positiva de suporte 

 

A adoção do regime de teletrabalho pelas empresas afastou fisicamente os colaboradores do escritório, o que dificulta a partilha e a vivência da cultura da Organização. A TELUS International reporta que 51% dos colaboradores que trabalham em regime remoto sentem-se menos conectados com a cultura da sua empresa.

Assim, as empresas devem criar uma cultura organizacional de proximidade e suporte com os seus colaboradores, de forma a que continuem a sentir-se próximos da cultura da sua empresa e fiquem mais envolvidos. Com maior atenção no regime de teletrabalho, as empresas devem acompanhar frequentemente direta ou indiretamente os seus colaboradores. Sugerimos algumas práticas:

 

5. Avalie o employee engagement 

 

A avaliação do employee engagement permite às empresas identificar o perfil dos colaboradores engaged, bem como identificar fatores de employee engagement que são necessários de desenvolver pela empresa. Não é suficiente a realização de um survey anual de employee engagement. Esta avaliação deve ser realizada de forma regular e adaptada às necessidades e estrutura específicas da empresa. Sugerimos alguns instrumentos de avaliação do employee engagement:

 

 

Conclusão

 

Neste último ano temos assistido à contínua expansão do fenómeno The Great Resignation.

 O melhor instrumento para responder eficazmente a este fenómeno é o foco das empresas no employee engagement. Quando o talento perceciona que é valorizado e reconhecido pela empresa e que os seus valores estão alinhados com a cultura e propósito da mesma, o colaborador cria uma ligação emocional de comprometimento, e por consequência, quer permanecer na mesma.

Saiba como promover employee engagement, contacte-nos.

 

Inês Ramos | Estágiaria da Bright Concept


Referências

Bayraktar, M. (2022). The Great Resignation of US labor force.

Birinci, S. & Amburgey, A. (2022) The great resignation vs. The great reallocation: Industry-level evidence. Economic Synopses, 4. https://doi.org/10.20955/es.2022.4

Cook, I. (2021). Who Is Driving the Great Resignation?. Consultado em https://hbr.org/2021/09/who-is-driving-the-great-resignation

Glint inc (2021). Employee Well-Being Report: Data-driven insights into people’s happiness and success at work. Consultado em https://www.glintinc.com/wp-content/uploads/2021/05/Glint-May-2021-Employee-Well-Being-Report.pdf

Jones, L. M. (2017). Strategies for Retaining a Multigenerational Workforce. Journal of Business & Financial Affairs, 6(2), 1-11. doi:10.4172/2167-0234.1000271

LinkedIn (2019). 2019 Workplace Learning Report. Consultado em https://learning.linkedin.com/content/dam/me/business/en-us/amp/learning solutions/images/workplace-learning-report-2019/pdf/workplace-learning-report-2019.pdf

Mahmoud, A., Reisel, W., Grigoriou, N., Fuxman, L. & Mohr, I. (2020). The reincarnation of work motivation: Millennials vs older generations. International Sociology, 35. 393– 414. 10.1177/0268580920912970.

Microsoft. (2021). The next great disruption is hybrid work: Are we ready? Consultado em https://www.microsoft.com/en-us/worklab/work-trend-index/hybrid-work