Bright Concept
Apoio
PT EN
Contacte-nos

Contacte-nos

* Campos obrigatórios
Li i aceito a Politica de privacidade
Enviar
INÍCIO /

Blog

/

Assessments

/ O Upskilling e Reskilling e a sua importância na Gestão de Talento

O Upskilling e Reskilling e a sua importância na Gestão de Talento

EM: Assessments .31 MARÇO, 2022
O Upskilling e Reskilling e a sua importância na Gestão de Talento

Vivemos numa era onde a cada segundo algo novo e inovador surge nalguma parte do mundo! Nesta sociedade cada vez mais global onde, com apenas um toque rápido de dedos num computador, conseguimos acesso a milhares de pessoas com capacidade de oferecer produtos ou serviços semelhantes ou mesmo iguais, o verdadeiro elemento diferenciador para uma empresa de sucesso está num único elemento – o talento e a criatividade das pessoas.

Surge então, neste contexto de profunda transformação dos negócios, na sua maioria impulsionada pela tecnologia e pela digitalização, a necessidade dos empregadores avaliarem até que ponto os seus Colaboradores têm as competências necessárias para responder com sucesso aos novos desafios organizacionais.  

Em consequência desta necessidade acrescida o Upskilling, ou seja, o desenvolvimento de capacidades já existentes, e o Reskilling, isto é, o desenvolvimento de capacidades novas, assumem um papel fundamental no ciclo empresarial de gestão e desenvolvimento de talento.

 

O que é Gestão e Desenvolvimento de Talento?

Gestão de Talento é uma expressão utilizada por especialistas de Recursos Humanos nas empresas, para descrever um conjunto de processos envolvendo a obtenção de novo talento e a identificação, desenvolvimento e “engagement” do talento existente nas Organizações. 

O CIPD (Chartered Institute of Personal and Development) define a gestão de talento como a “atração sistémica, identificação, desenvolvimento, engagement, retenção e implantação dos indivíduos que são de um particular valor para a organização, seja em visão do seu potencial para o futuro ou porque estão a cumprir funções criticas para o negócio/operação”.

Este processo segue o ciclo de vida do colaborador abrangendo as seguintes etapas:

 

Porque é que o Upskilling e reskilling é cada vez mais necessário nas empresas?

O desenvolvimento de talento torna-se importante quando consideramos todas as mudanças que ocorrem desde o primeiro momento da sua vida profissional – desde novas técnicas ou até mesmo descobertas novas que impossibilitam estratégias antes usadas, a programas de trabalho em constante mudança.  E, como tal, as capacidades que as pessoas aprendem no início das suas carreiras, ou nos seus processos educacionais, podem não ser necessariamente aquelas que irão necessitar no futuro próximo.

De acordo com o relatório de 2018 “The Future of Jobs” (World Economic Forum) é pedido cada vez mais aos líderes de empresas - de todas as indústrias - a construção de equipas de trabalho capazes de ir ao encontro dos desafios de uma era focada na constante mudança e inovação. Como tal, empresas que procuram melhorar as suas forças de trabalho concentram-se em programas de Upskilling ou Reskilling. Por exemplo, em 2019, a Amazon anunciou que pretendia gastar 700$ milhões em programas de upskilling e reskilling para 100,000 dos seus colaboradores dos USA, até 2025. 

Movimentos de Upskilling como os deste exemplo, não só contribuem para a construção de uma força de trabalho mais capaz, como também aumentam a moral e o engagement, incentivando os colaboradores a manterem-se na empresa. Nas palavras de Carol Patton (Human Resource Executive) “Reskilling ou Upskilling dos colaboradores não é apenas mais uma tendência, mas uma estratégia de sobrevivência que alimenta ou sustenta o crescimento de uma empresa”.

No entanto, muitas empresas não estão a investir nesta área. De acordo com Siddhartha Gupta, CEO da Mercer Mettl, a identificação de “Gaps” de Competências relevantes, a falta de tempo para treinar os Colaboradores, e a orçamentação de fundos suficientes para a implementação de programas de aprendizagem e de desenvolvimento, são algumas das razões que impedem as empresas de investir em programas de Reskilling e Upskilling.

 

Upskilling e Reskilling – Qual a diferença?

De acordo com a McKinsey, as organizações procuram encontrar soluções para estas necessidades ao aplicar três diferentes níveis de gestão de talento:

  1. Redeployment (Mobilidade Interna) – Ocorrem quando uma função irá ser extinta e é necessário que os Colaboradores venham a ocupar uma outra função para a qual não terão, à partida, as competências necessárias.
    1. Por exemplo: Um grupo de colaboradores esteve envolvido num projeto de longo prazo que entretanto terminou. Em vez de despedir estes colaboradores a empresa poderá treiná-los e transferi-los para outras funções. Ou, a empresa irá expandir-se e abrir um novo local de trabalho e quer realocar colaboradores a funções diferentes, que de outro modo teria dificuldade em recrutar.
  2. Reskilling – Quando uma pessoa necessita de desenvolver um conjunto de capacidades diferentes da sua usual capacidade, de modo a ser capaz de executar uma função diferente ou de nível superior de responsabilidade.
    1. Por exemplo: Foram implementadas novas tarefas ou novos processos que exigem um novo conjunto de competências, e para ajudar os colaboradores a alcançarem uma alta performance criou-se um programa de Reskilling. Ou um processo que antes era manual agora está a ser executado por uma plataforma informática. Poderá ser realizado um programa de Reskilling para os colaboradores aprenderem a trabalhar na plataforma e familizar-se com os novos procedimentos.
  3. Upskilling – Quando uma pessoa desenvolve uma capacidade ou conjunto de capacidades com um maior nível de competência de modo a alcançar uma melhor performance no seu cargo atual.
    1. Por exemplo: Um dos melhores colaboradores consegue uma promoção e precisa de se preparar para novos obstáculos que possam surgir. O colaborador já possui os talentos básicos necessários para assumir as novas responsabilidades da função, mas o Upskilling pode ser aqui usado para preparar o Colaborador para a mudança.

Estas estratégias podem ser usadas em conjunto, ou separadamente, conforme o que a organização e o colaborador necessita para o sucesso do empreendimento.

 

Os benefícios de reskilling e upskilling

Existem vários benefícios específicos associados a cada uma destas estratégias:

1. Redução dos Custos de Recrutamento

Recrutar, entrevistar, avaliar e contratar novos colaboradores é caro e demorado. E mesmo com um processo de contratação sólido há sempre a hipótese de que a contratação não funcione por questões relacionadas com a adaptação do Colaborador à cultura organizacional. Ao procurar talento no grupo de colaboradores que já para trabalha na Organização, evita-se os custos e encurta o processo de contratação e integração de uma nova pessoa. De acordo com a Gallup, o custo de substituir um colaborador pode variar de entre metade a duas vezes o salário anual desse mesmo colaborador.

2. Atração de novos Talentos

Uma empresa que ajuda colaboradores a desenvolverem novas capacidades tem uma vantagem quando se trata de recrutamento. Os candidatos que querem sentir-se valorizados no trabalho procuram empregadores com uma cultura de crescimento profissional que inclui oportunidades de Reskilling e Upskilling. Um estudo do LinkedIn mostrou que a maioria das pessoas das novas gerações (Millennials e Gen Z) estão dispostas abandonar os seus empregos atuais por falta de aposta na sua formação e desenvolvimento.

3. Retenção de Talento

Ao investir nos talentos de excelência que já se tem na empresa, cria-se um espaço onde os colaboradores desenvolvem novas capacidades e uma cultura de inovação e proatividade.

Um ótimo exemplo desta capacidade de proatividade está na história de vida de Dorothy Vaughan (ilustrada no filme “Hidden Figures”). Esta era responsável por um grupo de mulheres que trabalhavam como "computadores humanos" no programa espacial dos EUA na década de 1950. Quando Dorothy descobriu que a NASA tinha comprado um novo computador IBM que teria a capacidade de substituir a sua equipa, ela decidiu aprender sozinha a linguagem de programação da IBM e ensinou-a à sua equipa. Ao executar este processo de Reskilling, ela salvou o seu emprego e os da sua equipa. E, ao investir nas suas capacidades, Dorothy acabou também por se tornar uma programadora especialista, trabalhando na NASA até se reformar.

 

Contruir um programa de Reskilling e Upskilling.

O primeiro passo para qualquer esforço de Reskilling ou Upskilling é definir a estratégia base e enumerar as competências necessárias para essa mesma estratégia. Por exemplo, se a estratégia for a digitalização dos processos, quais são as competências que os Colaboradores necessitam de ter?

Após serem definidos os pontos-base da estratégia e as competências necessárias é preciso criar e desenvolver uma cultura de aprendizagem na Organização, apresentando sistemas acessíveis a todos os Colaboradores. Para tal, deve definir-se um plano formativo que obedeça à estratégia e operacionalizá-la de acordo com as necessidades específicas de cada grupo de formação. Sugerimos 4 processos para a operacionalização do plano de formação:

1. Desenvolver uma plataforma de desenvolvimento de Competências

Quer utilize um sistema online ou não, ao criar uma plataforma de aprendizagem consegue-se ajudar a equipa a identificar as lacunas que sentem e a definirem metas de aprendizagem. Além disso, os Colaboradores controlam o progresso da aprendizagem, identificando rapidamente onde precisam de investir mais. Este controlo irá ajudar a poupar tempo e dinheiro ao evitar o prolongamento de temas não necessários.

2. Procurar formação em capacidades específicas

Em algumas situações pode ser necessário procurar ajuda externa para programas com temas mais específicos. Por exemplo, numa Organização do sector da saúde, a plataforma estará provavelmente repleta de competências clínicas e certificações médicas. Mas, se uma enfermeira deseja aprender análise de dados para a ajudar na gestão da sua unidade, será necessário procurar recursos externos ao plano atual de formação, de modo a apoiar esta colaboradora na sua iniciativa inovadora.  

3. Incentivar o acompanhamento.

Acompanhamento no trabalho é muitas vezes definido em termos de ajudar estagiários ou um novo colaborador na empresa. Mas essa é apenas um fração do que Acompanhamento é. De acordo com a Insperity existem pelo menos dois processos em que o acompanhamento dos colaboradores da sua equipa pode ajudar os processos de Reskilling e Upskilling:

  1. Um colaborador de uma equipa de trabalho pode acompanhar outra equipa para aprender como fazem o seu trabalho. Esse colaborador irá posteriormente partilhar as suas aprendizagens com a sua equipa atual de modo a ajudar a construir as capacidades e a base de conhecimento de todo o grupo.
  2. Um colaborador que deseja fazer a transição para uma nova função pode acompanhar um colega que tem essa função atualmente.

4. Ajudar os colaboradores a elevarem os seus conhecimentos.

Às vezes, os colaboradores já têm o conhecimento e as capacidades de que precisam para fazer a transição para uma nova função. Pode ser necessário simplesmente um processo de atualização de conhecimentos ou de especialização.

Conclusão

A gestão correta de talento, com especial ênfase em Upskilling e Reskilling pode ser a barreira entre o sucesso ou não da organização. Estes processos são parte integrante da vida profissional e necessitam de ser trabalhados para o desenvolvimento orgânico das suas equipas, para a adaptação a um mundo em constante mudanças, para o maior envolvimento na cultura organizacional a todos os envolvidos e para a retenção de talentos de top.

Construa uma abordagem estratégica e evite os resultados de uma gestão de talento pouco eficaz. Contacte-nos para saber mais.

 

 

Inês Cabral | Project Manager


Bibliografia

 

https://trainingindustry.com/magazine/may-jun-2020/talent-developments-answer-to-upskilling-and-reskilling-for-the-future-cptm/

 https://www.bcg.com/capabilities/people-strategy/talent-development

https://www.mckinsey.com/business-functions/organization/our-insights/the-organization-blog/piecing-together-the-talent-puzzle-when-to-redeploy-upskill-or-reskill

helloezra.com/resources/insights/redeployment-modern-workplace/

 https://elearningindustry.com/reskilling-and-upskilling-difference-in-lifelong-learning-programs-prime-examples

https://www.insperity.com/blog/reskilling/

https://lists.linkedin.com/2016/top-attractors/en/global/deloitte

https://www.itagroup.com/insights/how-upskilling-your-workforce-benefits-your-organization