Bright Concept
Apoio
PT EN
Contacte-nos

Contacte-nos

* Campos obrigatórios
Li i aceito a Politica de privacidade
Enviar
INÍCIO /

Blog

/

Recursos Humanos

/ MOTIVAR, RETER E DESENVOLVER O TALENTO NA GERAÇÃO MILLENNIAL

MOTIVAR, RETER E DESENVOLVER O TALENTO NA GERAÇÃO MILLENNIAL

EM: Recursos Humanos.11 SETEMBRO, 2018
 MOTIVAR, RETER E DESENVOLVER O TALENTO NA GERAÇÃO MILLENNIAL

Muito se tem falado e escrito sobre os Millennials, contudo, verificamos que a maioria das empresas não foram capazes de antecipar os novos desafios, não estando hoje preparadas para os cativar, integrar, desenvolver e garantir que se mantém “engaged”. Estando esta geração no atual centro do mercado do trabalho, torna-se cada vez mais importante encontrar um modo de gerir o talento e encontrar formas de trabalho que motivem os colaboradores, assim como prepararem-nos para o novo mindset que estes levam às empresas. Recordem-se! Os primeiros millennials, hoje com mais de 30 anos, já estão a chegar ao topo e a assumir lugares de liderança, promovendo mudanças significativas ao nível do ecossistema das empresas. É hora de levar a cabo as mudanças que levam a resultados de excelência.

 

Os Millennials e o Mercado de Trabalho

Atualmente os Millennials são mais de 40% da população ativa e em dentro de 3 curtos anos, em 2025 constituirão 75% da população ativa. É de importância máxima que as empresas consigam motivar e desenvolver estes trabalhadores, potenciando as suas forças e conseguindo retê-los mais tempo, já que isso significará ganhos financeiros a vários níveis (mais produtividade, mais eficiência, menos custos de rotação de colaboradores…).

Esta é a geração que tem mais formação, a que procura estar mais envolvida nas decisões, a que quer assumir rapidamente funções de liderança, pretende maior flexibilidade e maior liberdade para aprender e para se desenvolver. É uma geração que quer fazer as suas próprias escolhas e sobretudo, uma geração que não está disposta a esperar.

Sendo muito confiante e aberta à mudança, quer contribuir de forma positiva para os resultados e assegurar benefícios associados ao seu desenvolvimento, procurando agilidade na reação à mudança. As estatísticas mostram que esta geração permanece apenas entre 2 a 3 anos numa função/empresa, o que significa que em média terão cerca de 20 empregos durante a sua vida ativa, construindo o que se designa por “portfolio career”.

O constante desenvolvimento e aprendizagem de novas competências é crítico, para que estes profissionais se possam manter ativos profissionalmente e capazes de responder a novas realidades que vão surgindo. Por estes motivos, as empresas têm que encontrar uma outra forma de lidar com os millennials, mais adequada e orientada a esta geração e, por consequência, também mais eficaz no sentido de ir de encontro à forma como esta geração pretende estar na Vida e envolver-se na Sociedade.

 

Criar uma cultura aliciante ao colaborador millennial

Para motivar e reter Millennials, as empresas necessitam criar uma cultura forte onde abertura, transparência e colaboração sejam valores ativos e onde os managers exerçam uma liderança inspiradora estabelecendo claramente qual a visão, o porquê e o significado do que fazem.

Esta geração quer acreditar que contribui para criar um mundo melhor, e que há uma razão para estarem nessa empresa que não só o salário. Na verdade, segundo um estudo da Universidade Bentley, 84% dos Millennials indicam que fazer uma diferença no mundo é mais importante que um salário.

As empresas devem também identificar quais as necessidades e serem as facilitadoras dessa aprendizagem. Formações e certificações específicas, de curta duração, serão cada vez mais a tendência, para que estes colaboradores multitasking possam contribuir ativamente a nível profissional e sintam que podem fazer a diferença.

Estamos perante uma clara transformação cultural, em que cada um tem um papel catalisador neste processo, de acordo com a sua visão, competências, experiência e expectativas de vida, reconhecendo que as múltiplas gerações são orientadas por diferentes objetivos e aspirações. Não se trata de mudar os millennials, mas de trabalhar no desenvolvimento dos atuais líderes, para que eles próprios sejam criativos na construção de uma relação que funciona nos dois sentidos. As estatísticas mostram que contrariamente ao que se pensa, os Millennials estão abertos a aprenderam com outros, sendo que 75% querem um mentor que lhes transmita a sabedoria e os truques do negócio que não conseguem obter doutro modo.

 

Os desafios de uma cultura millennial

O primeiro grande desafio para as organizações acontece com o recrutamento, através da forma como as empresas conseguem cativar e garantir a criação de experiências positivas no trabalho. Este desafio permanece nas fases de pré-integração e na futura gestão das suas carreiras, assumindo que deveremos ser capazes de ajudar os millennials a terem ownership relativamente ao seu futuro, assegurando elevados níveis de satisfação e lealdade.

É também muito relevante criar ambientes e políticas de trabalho flexíveis, permitindo gerir o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, já que para os Millennials os resultados são o mais importante (e não as horas de trabalho). Um estudo da Flexjobs mostrou que mais de 80% dos Millennials ponderam sobre o modo como um trabalho irá afetar o equilíbrio vida-trabalho antes de aceitarem qualquer posição.

Neste sentido um acompanhamento regular por parte dos managers, com feedback mais frequente (um estudo da Harvard Business Review mostrou que ao contrário das gerações mais velhas que preferem feedback trimestralmente, Millennials preferem receber feedback numa base mensal), garante que os colaboradores estão motivados e alinhados com os objetivos da empresa. Não estão interessados em managers que chefiem, mas sim que sejam coaches/mentores que os oiçam ativamente, que identifiquem oportunidades de desenvolvimento e estabeleçam planos para aprendizagem de novas competências que possibilitem evolução e progressão na empresa.

Os millennials passaram ainda de colaboradores a empreendedores e líderes, obrigando as empresas a repensar os seus modelos de gestão e de retenção de talentos. Afinal, os benefícios emocionais são muito valorizados por esta geração. Como desafios complementares, as empresas estão a desenvolver programas de formação sólidos e diversificados, a apostar no coaching e no mentoring e a implementar uma cultura de pragmatismo, com a flexibilidade necessária para incorporarem os objetivos individuais de cada colaborador.

 

Como motivar os Millennials no trabalho?

A presença dos Millennials nas empresas é incontornável. Estas têm que se adaptar a esta realidade, e criar condições para retirar o melhor das oportunidades que daí são criadas tem que ser o novo mindset de quem está a frente dos negócios. Trabalhar com uma geração para o qual propósito, flexibilidade e constante desenvolvimento é fundamental traz novos desafios, mas há soluções. Desenvolver uma cultura de Liderança através de Coaching, possibilitar Coaching e Mentoring interno, e o planeamento e desenho de novas estratégias de formação assentes no constante desenvolvimento de novas competências e criação de oportunidades de aprendizagem experiencial são um must!

E lembrem-se! Caso não exista nas empresas a capacidade e o nível de compromisso para entender a especificidade dos millennials, bem como a de cada uma das cinco diferentes gerações que hoje colaboram no mesmo mercado de trabalho, estará comprometida a sua capacidade de resposta às diversas necessidades e com isso irá comprometer a sua capacidade de competir no mercado de trabalho.