Bright Concept
PT EN
INÍCIO /

Media

/

Bright Concept / Prémios

/ Queremos ajudar as pessoas a concretizarem os seus sonhos

Queremos ajudar as pessoas a concretizarem os seus sonhos

EM: Revista Human

Isabel Freire de Andrade | Fundadora e partner da Bright Concept

 

«Queremos ajudar as pessoas a concretizarem os seus sonhos.»

Isabel Freire de Andrade, fundadora e partner da Bright Concept

 

Nota Biográfica:

Isabel Freire de Andrade - fundadora e partner da Bright Concept 

 

Com 26 anos de experiência em consultoria, tem liderado equipas que têm contribuído para o desenvolvimento das equipas de empresas como Microsoft, Vodafone, Heinecken Brasil, Assembleia Nacional de Angola, EDP e LOréal através de programas com diagnósticos, coaching e workshops. 

Foi Fundadora e Diretora da Conceito O2 durante 15 anos, criando uma empresa avaliada pelos clientes como o melhor fornecedor  de Recursos Humanos em Portugal nas áreas de Formação e Coaching, Assessment de Competências e Consultoria durante 2012, 2013 e 2014.

É professora convidada na Universidade Católica Portuguesa desde 2013 e foi fundadora e Vice-President do Chapter da ICF-International Coach Federation em Portugal.

 

Informação da Bright Concept

A Bright Concept tem como missão desenvolver o potencial das pessoas, das equipas e das organizações. Acreditamos que as pessoas e as equipas podem ser mais eficientes, mais orgulhosas do seu trabalho e mais inovadoras e assim contribuir muito mais para as organizações onde trabalham. Queremos ainda contribuir para o desenvolvimento de Portugal e para isso desenvolvemos a responsabilização das pessoas para que os portugueses fiquem mais empenhados e produtivos.

Fazemo-lo com metodologias internacionais em que estamos certificados e de parcerias estratégias internacionais.Temos uma equipa multinacional de consultores seniores certificados internacionalmente em vários instrumentos de diagnóstico, Programas de formação e em Coaching.

Trabalhamos principalmente com empresas como Siemens, BP, Itau BBVA, Sonae, Alstom, Leroy Merlin, Ren, Santander e em vários países - Portugal, Brasil, Luanda e Moçambique. Estamos agora também a investir no desenvolvimento de jovens em Universidades e Escolas para que o desenvolvimento se dê mais cedo e por isso tenha impactos mais fortes e abrangentes.

 

Como surgiu o projeto da Bright Concept?

A Bright Concept surge como forma de concretização de um sonho: criar uma empresa que ajude realmente as equipas a crescerem, a aumentarem a produtividade e a serem mais competitivas e assim contribuírem para o crescimento das empresas e da economia do país. Para que o nosso sonhe se realize mesmo queremos  ainda que este crescimento seja feito de uma forma divertida, inovadora, bem fundamentada e rigorosa. Na essência queremos ajudar as pessoas a concretizarem os seus sonhos e a Bright Concept é a prova que os sonhos se tornam realidade.

 

Que proposta de valor associa ao projeto?

A nossa proposta de valor é aumentar os resultados das empresas, melhorar o clima organizacional e aumentar a satisfação das pessoas.

Como o fazemos? Na Bright Concept intervimos ao nível das pessoas com o coaching e ao nível das equipas com workshops. Recorremos às mais prestigiadas autores e empresas internacionais que fazem investigação na nossa área. No caso da metodologia do Inner Game conseguimos resultados muito visíveis rapidamente e sem muito esforço, o que deu uma lufada de ar fresco aos nossos coachings e às nossas formações de falar em público, liderança, inteligência emocional, coaching e vendas e tem feito com que os clientes fiquem muito satisfeitos. Nas nossas formações contribuímos para tornar o  trabalho mais interessante e onde consigam mostrar naturalmente todas as suas qualidades o que está a ter resultados muito interessantes por exemplo em Programas de Serviço ao Cliente ou Atendimento.

Temos ainda parcerias estratégicas ao nível da tecnologia para poder multiplicar e simplificar o trabalho e medimos os resultados que obtemos

Outra área em que contribuímos é no aumento da responsabilização aumentando assim a produtividade das empresas. Com o Programa de Formação em Accountability conseguem-se resultados muito positivos no empenho das pessoas e no aumento da produtividade das empresas, contribuindo assim para melhorar a situação económica de Portugal. 

 

A vinda de Tim Gallwey a Portugal é o primeiro grande evento da empresa?

O Workshop “The Inner Game of Leadership” que vamos fazer com Tim Gallwey no Penha Longa é um evento muito importante para a Bright Concept pois permite-nos partilhar a sua metodologia em Portugal e noutros paises. Tim Gallwey é verdadeiramente inspirador e a sua metodologia contribui de uma forma muito evidente para o despertar do melhor das pessoas.  
Contamos fazer vários eventos ao longo dos próximos anos para trazer as novidades e atualizar os nossos clientes sobre as novas práticas e modelos, numa lógica de crescimento mútuo. Em breve anunciaremos o próximo evento.

 

O que esperam proporcionar com a presença deste especialista norte-americano?

A presença do Tim Gallwey em Portugal é um evento único e marcante. A sua experiência  e evidências de resultados alcançados no seio das empresas demonstra como é possível as pessoas evoluírem de uma forma rápida e sustentada. Esperamos que inspire os nossos líderes para a mudança, aumentando a sua performance, através do estímulo do seu potencial e contribua para que as suas equipas fiquem mais motivadas.

 

Como vê o mercado empresarial português e as suas necessidades em termos de propostas formativas?

O mercado empresarial português é um mercado exigente, que valoriza eficácia e eficiência, o que muito nos agrada. Hoje as  empresas querem propostas formativas que reflitam os valores e cultura da empresa, com novas metodologias e que permitam alcançar resultados sustentáveis. Penso que estamos no bom caminho, no caminho da procura da qualidade.

A criatividade tem vindo a ganhar espaço na formação em Portugal ou poderemos estar um pouco agarrados a velhos modelos?
Os velhos modelos continuam a existir pelo mesmo motivo que guardamos as meias grossas e rotas de natal: têm valor sentimental, são quentinhos e confortáveis. No entanto, os nossos clientes pedem-nos propostas criativas em termos de conteúdos e metodologias  desde que sejam cientificamente sustentados. As meias de natal também têm a sua utilidade e finalidade. Mas podemos sempre inovar, remendar ou substituir e achamos que urge fazê-lo.

 

Para onde poderemos caminhar neste âmbito?

O caminho é infinito, é uma procura incessante ao nível internacional de novas metodologias e práticas.  Em breve anunciaremos novos programas de desenvolvimento em que nos estamos a certificar para dar aos nossos clientes o que há de mais inovador e eficiente.  Vislumbramos com grande otimismo o que o futuro nos reserva! 

Que balanço faz da sua carreira no meio empresarial e como a perspectiva para o futuro, agora que está a iniciar um novo projeto?

Quando era criança entretinha-me a observar como as pessoas se comportavam em várias situações  e ficava fascinada por ver como as pessoas podiam brilhar quando se lhes dava uma pequena ajuda, um reconhecimento, um desafio.  Adorava também ver o que fazia as pessoas serem mais produtivas e empenhadas.  Estava totalmente decidida a que  havia de fazer com que as pessoas conseguissem dar o seu melhor, que fossem empreendedoras e empenhadas no que faziam.  

Aos 18 anos já estava em Psicologia para perceber em profundidade o ser humano e desde ai todos os anos tenho feito cursos e certificações internacionais para poder contribuir o melhor possível. 

O meio empresarial sempre me fascinou e por isso é ai que tenho contribuído mais. E estou muito satisfeita com os resultados e pretendo continuar. 

Para o futuro estou principalmente focada na multiplicação do trabalho que desenvolvi até agora, continuando a ter em mente que é um trabalho muito personalizado. Para responder a este foco estou a investir mais no treino de formadores e coaches e também nas novas tecnologias. O meu objectivo é contribuir para mais pessoas brilharem independentemente do pais onde nasceram, da empresa onde trabalham e da idade que têm.

 

Texto: António Manuel Venda